segunda-feira, 20 de março de 2017

Brasileiros consomem até três vezes mais açúcar do que população mundial

Descubra como definir a quantidade ideal das várias versões do alimento no dia a dia

Seja no cafezinho da tarde ou nos doces da escapada da dieta no final de semana, o açúcar adoça a vida dos brasileiros de muitas maneiras diferentes. Fonte de energia, a substância, extraída da cana, também tem a capacidade de deixar as pessoas mais alegres – já que sua ingestão estimula a produção de serotonina, hormônio que regula o humor. Porém, para conseguir apenas os benefícios do açúcar, é necessário prestar atenção na quantidade: segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o consumo diário não deve passar de 50 gramas, incluindo o açúcar já presente nos alimentos. Mas, no Brasil, a realidade preocupa os médios: cada brasileiro consome, em média, 150 gramas de açúcar por dia conforme dados recentes da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), enquanto que a média mundial não passa dos 57 gramas.

Ter uma alimentação rica em açúcares pode ser agradável ao paladar, mas muito prejudicial à saúde. Segundo a dra. Yolanda Schrank, endocrinologista e integrante do corpo clínico do laboratório Sérgio Franco, as consequências são o aumento do índice de triglicerídeos, ganho de peso em excesso, entupimento das artérias e desenvolvimento do diabetes, podendo ter consequência a longo prazo para o bem-estar. A maneira mais fácil de detectar se o índice de açúcar no sangue está alto é através de exames laboratoriais, como a avaliação de glicemia, insulina e hemoglobina glicada – todas disponíveis nos laboratórios Sérgio Franco, e os resultados são obtidos através de um exame de sangue comum.

“Porém, nem tudo está perdido! Existem muitas versões do açúcar no mercado e algumas são mais saudáveis do que outras, sendo mais indicadas para quem não consegue deixar os doces de lado. O açúcar orgânico, por exemplo, não tem adição de agrotóxicos ou componentes químicos, o que conserva seus nutrientes. Ele é uma ótima opção para substituir o açúcar refinado no café, chá, sucos e no preparo de doces e bolos, mas, assim como todos os outros tipos, não deve ser consumido em excesso”, explica a dra. Yolanda.

Outra versão do açúcar que também é uma boa opção para o consumo no dia a dia é o mascavo; apesar de sofrer um processo de industrialização, ele conserva os valores nutricionais do melaço, sendo rico em cálcio, ferro, potássio e magnésio, mas é contraindicado para consumo de diabéticos. O tipo demerara é bem parecido com o mascavo e também mantem os nutrientes do melaço, mas demora muito mais para adoçar cafés, chás e sucos e é mais indicado para fazer bolos e doces – sendo liberado para consumo de pessoas diabéticas. Extraído das flores da palma de coco, o açúcar de coco tem o menor índice glicêmico de todos os tipos, pessoas diabéticas podem consumi-lo em quantidade moderada e adoça tanto quanto a versão refinada, então é uma boa opção para substituí-la.

“Para quem está controlando as calorias, o açúcar light é uma opção para manter em mente. Como ele adoça mais rápido do que as outras versões, é necessário apenas uma pequena quantidade para garantir o sabor nos alimentos e no café, no suco ou no chá. Outro que adoça rápido é a frutose, encontrado naturalmente nas frutas e que está ganhando mais espaço nas prateleiras. Porém, é bom lembrar que ele, assim como qualquer outro açúcar, deve ser ingerido de forma moderada”, conta a médica.

Mesmo que a vontade de consumir açúcar seja grande, intercalar alimentos açucarados com uma alimentação saudável na maior parte do tempo e exercícios físicos regulares é a melhor maneira de manter a saúde do corpo.

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Marcação com sementes radiativas ajuda no tratamento do câncer

A técnica auxilia na marcação pré-cirúrgica de nódulos na mama e tem beneficiado mulheres com um tratamento menos invasivo

Pacientes que sofrem de câncer de mama e que necessitam de cirurgia para a retirada de nódulos contam com uma técnica inovadora que auxilia o cirurgião na localização da lesão e torna o procedimento menos invasivo. Atualmente, o uso de sementes de iodo radioativo – um tipo de radiotraçador – proporciona maior precisão na detecção da lesão, evitando grande comprometimento da estética mamária e mutilações desnecessárias. A implantação das sementes ainda é uma técnica pouco aplicada no país, como afirma Fernanda Philadelpho, radiologista mamária e integrante do corpo clínico do Alta Excelência Diagnóstica no Rio de Janeiro, um dos locais que realiza a colocação das sementes.

“Os implantes de sementes de iodo é uma técnica segura e eficaz para a localização intraoperatória de lesões impalpáveis da mama, com vantagens sobre outros métodos”, explica Fernanda. Segundo a médica, as cirurgias radioguiadas podem se basear na utilização das sementes de iodo 125 para a marcação de lesões mamárias. As sementes emitem energia gama, com duração de 60 dias, e podem ser localizadas na mama com um equipamento específico, chamado gama probe, que facilita a cirurgia oferecendo maior precisão e, consequentemente, uma cirurgia menos agressiva. 

“Após fazer a biópsia e constatar a necessidade cirúrgica, a marcação da área tumoral é feita com a semente, que é implantada na lesão, através de uma agulha, processo realizado em ambulatório, não necessariamente no dia da cirurgia e sem obrigação de internação. A anestesia é local e não deixa cicatriz.”

O método beneficia e muito pacientes com estágio de câncer avançado. “A semente é colocada no centro do tumor e em nódulos adicionais e, após a quimioterapia neoadjuvante, permite ao cirurgião saber exatamente onde estava aquela lesão na mama, já estando a área marcada para a ressecção cirúrgica”, reforça Fernanda Philadelpho.

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Caxumba pode ser prevenida com vacina tríplice viral

Doença não tem tratamento certo e pode deixar sequelas permanentes

A primavera é uma estação conhecida por aumentar as chances de surto de várias doenças no país, e uma das mais temidas pela população é a caxumba. Sendo altamente contagiosa por contato direto com a saliva de pessoas infectadas, a patologia, transmitida por um vírus da família Paramyxovirus, geralmente vem acompanhada de sintomas comuns, como febre e náuseas, mas alguns casos podem evoluir para condições mais severas e deixar sequelas permanentes no paciente. A melhor maneira de evitar a caxumba é tomando a vacina tríplice viral a partir de 1 ano e a segunda dose, três meses depois, imunizando o paciente desde a primeira infância.

Também conhecida como “papeira” por causa do inchaço causado nas glândulas produtoras de saliva, abaixo da mandíbula e nas laterais do pescoço, a patologia não tem tratamento específico e os sintomas incluem dor de cabeça, febre, dor muscular e desconforto ao mastigar e engolir. Em casos raros e mais graves, ela pode evoluir para quadros com surdez e meningite e, após a puberdade, levar à esterilidade tanto de homens quanto de mulheres. Segundo o dr. Alberto Chebabo, infectologista e integrante do corpo clínico do laboratório Lâmina Medicina Diagnóstica, a única forma de prevenção da doença é a aplicação da vacina tríplice viral, que protege contra caxumba, rubéola e sarampo.

“Todas as pessoas podem tomar a vacina em duas doses, principalmente quem não a tomou aos 12 meses de vida e repetiu aos 15 meses. As pessoas que já estão imunizadas desde a infância não precisam se vacinar de novo, mas quem tomou apenas uma dose precisa reforçá-la e tomar duas doses novamente, não importa a idade”, explica o médico. Os pacientes que já tiveram a doença também não precisam tomar a vacina, já que os casos de reinfecção pelo vírus que causa a caxumba são raros, e mulheres grávidas não podem ser vacinadas.

Como as crianças costumam ser as mais atingidas pela doença, é recomendado manter a carteira de vacinação em dia e ter muita atenção aos sintomas, que podem surgir logo após a contaminação pelo vírus. Segundo o dr. Chebabo, uma vez confirmada a doença, cujo período de incubação varia entre 14 e 25 dias, o paciente deve se manter em repouso e não comparecer à escola ou ao trabalho por causa do alto grau de contágio.

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Curta metragem do Museu Casa do Pontal será exibido na VI Semana Fluminense do Patrimônio

O Museu Casa do Pontal teve o curta metragem "ARTE, FÉ E FESTA: JUAZEIRO DO NORTE, CE" selecionado para ser exibido na IV Mostra de Filmes da VI Semana Fluminense do Patrimônio, que acontecerá nos dias 16 a 20 de novembro de 2016, no Centro Cultural Justiça Federal (Av. Rio Branco, 241 - Centro, Rio de Janeiro – RJ). O filme terá duas exibições: na quarta-feira, dia 16/11, às 15h30 e na sexta-feira, dia 18/11, às 15h30. As sessões serão gratuitas mediante distribuição de senhas.


Dirigido por  Angela Mascelani (documentarista e antropóloga) e por Lucas Beuque (documentarista e fotógrafo), o curta “ARTE, FÉ E FESTA: JUAZEIRO DO NORTE, CE” se passa durante a procissão de Nossa Senhora da Candeias, realizada em Juazeiro do Norte, Ceará. Trata-se de uma festa religiosa católica, que atrai grande número de romeiros, que vem agradecer graças recebidas, fazer pedidos e celebrar. Devido ao grande afluxo de visitantes na cidade também é um momento importante de difusão da arte popular local. O documentário aborda a vida dos artistas, suas histórias, seus lugares de trabalho e suas visões sobre arte, artesanato e a relação desta produção com o cotidiano, a festa e os rituais festivos religiosos.

Sobre o MUSEU CASA DO PONTAL:

O Museu do Pontal foi inaugurado em 1976 pelo design francês Jacques Van de Beuque. É um dos principais museus do país e reúne o maior acervo de arte popular brasileira. Suas obras contam histórias e costumes do povo brasileiro, resultado de quarenta anos de pesquisas e viagens de Jacques pelo Brasil. Seu acervo, tombado pela Prefeitura do Rio como referência cultural da cidade, é composto por mais de 8.500 peças de 216 artistas brasileiros, produzidas a partir do século XX. O museu já realizou mais de 70 exposições parciais do acervo no Brasil e em outros 15 países, além de já ter sido visitado por milhares de estudantes, moradores do Rio e turistas.

Admirado por personalidades estrangeiras como o escritor José Saramago, aplaudido por brasileiros como o músico Gilberto Gil e pela futebolista Marta, reconhecido como Patrimônio Artístico e Cultural do Rio de Janeiro, o Museu Casa do Pontal é fundamental nos roteiros cariocas.  Definitivamente um passeio completo, deslumbrante e imperdível para adultos e crianças.

É considerado pelos turistas que vieram ao Brasil durante a Copa das Confederações como extremamente relevante, segundo pesquisa da Embratur. Em 2013, foi eleito pela Revista Época o terceiro melhor museu do Rio de Janeiro. Foi escolhido, em 2014, para representar o Brasil no Comitê para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade da Unesco.

No dia 23 de junho deste ano, foi anunciado o início das obras da nova sede do Museu do Pontal, na Barra da Tijuca. O Museu do Pontal será transferido para um terreno de 14 mil metros quadrados na Avenida Célia Ribeiro. A prefeitura fez a cessão do local por um período de 50 anos renováveis e a administração do Museu fará o gerenciamento do novo espaço cultural. Durante o período de obras, a antiga sede continuará aberta ao público no Recreio dos Bandeirantes promovendo visitas educacionais, exposições, seminários e shows.

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Dona Carola chega a Areninha Renato Russo, na Ilha


Uma das comédias mais divertidas do ano chega ao principal espaço das artes da Ilha do Governador: a recém reinaugurada Areninha Renato Russo, na próxima quinta-feira, dia 17, às 20h. Com ingresso popular a R$10, o público vai se divertir com a divertida Dona Carola.

Trata-se da história de Henrique, um jovem publicitário que divide apartamento com o amigo Agenor e está prestes a apresentar um trabalho de grande importância. Tudo vai muito bem em sua vida até que recebe a visita de sua mãe que aparece de mala cuia e enxofre. Sucesso de público nos teatros por onde passa, Dona Carola é anárquica, debochada, politicamente incorreta e mostra que seu maior pesadelo pode ser a própria mãe.

A peça é do dramaturgo, escritor, compositor e analista de carnaval, Aloisio Villar, de 40 anos, que lançou recentemente o romance "Amor" pela editora Autografia e é colunista de carnaval para o site Carnavalesco.

Espaço de cara nova

A Lona Cultural Renato Russo, instalada na Praça Manuel Bandeira, mais conhecido como Aterro do Cocotá, foi fundada no ano de 2000, mas foi somente em 2007 que ganhou o nome em homenagem ao cantor e compositor Renato Russo. Hoje, a chamada Areninha Carioca Renato Russo, está reformada e de volta para oferecer muita cultura e diversão ao público da Ilha do Governador.

Ficha Técnica:

Dona Carola
Autor: Aloisio Villar
Direção: Johnny Lima
Produção: Jeane Fontes
Cia de teatro Os Carolas
Areninha Renato Russo (Praça Manuel Bandeira S/N Cocotá Ilha do Governador)
Data: 17 de novembro
20 horas
Ingresso: 10 reais
Censura 12 anos


sexta-feira, 4 de novembro de 2016

CHN abre inscrições para o Encontro com Especialistas Imagem em Cardiologia

Já estão abertas as inscrições para o Encontro com Especialistas – Imagem em Cardiologia, promovido pelo CHN (Complexo Hospitalar de Niterói), que acontecerá no dia 19 de novembro. O evento  reunirá especialistas do CHN e também contará com a presença do palestrante convidado, Dr. Afonso Akio Shiozaki, coautor da II Diretriz de RM e TC Cardiovascular da SBC e do CBR. O encontro, coordenado pelo Dr. Marcelo Souto Nacif e pela Dra. Valdênia Pereira de Souza, acontecerá das 8h às 12h40, no Auditório Humberto Dantas, no CHN. 

A programação, dividida em quatro grandes módulos, englobará assuntos diversos e atualizados relacionados com a tomografia computadorizada, o ecocardiograma, a ressonância magnética cardíaca e a apresentação de casos clínicos.

De acordo com o Dr. Marcelo Nacif, os métodos de diagnóstico por imagem estão sempre em processo de renovação, e a cada dia surgem novas tecnologias que estão sempre a favor da saúde. “Por isso, o tema relacionado com qualquer área da saúde é tão relevante, pois com o diagnóstico precoce de doenças é possível aumentar a expectativa e a qualidade de vida da população”, ressalta Nacif.

Para inscrições e outras informações, entre em contato pelo telefone (21) 2729-1154 – Centro de Estudos CHN (srta. Amanda) – ou pelo e-mail: cest@chniteroi.com.br . O evento, gratuito, é destinado a médicos e as vagas são limitadas. O CHN fica na Rua La Salle, 12 – Centro – Niterói – RJ.

Serviço:

Data: 19 de novembro.
Horário: das 8h às 12h40.
Local: Auditório Humberto Dantas – Rua La Salle, 12/7º andar – Centro – Niterói. 

Novos exames para detecção precoce do câncer de próstata podem diminuir o número de mortes no país

Campanha de conscientização relembra os cuidados necessários para combater a doença

Elaborada especialmente para alertar a população masculina de todo o mundo sobre o câncer de próstata, a campanha Novembro Azul, presente em vários países, tem como missão ensinar os males da doença, os tratamentos disponíveis e como detectar os primeiros sintomas de forma precoce. Dados recentes do Instituto Nacional do Câncer (INCA) revelam que mais de 60 mil novos casos de câncer de próstata surgem ao ano no Brasil, colocando-o como a segunda maior causa de morte por câncer entre os homens brasileiros. Segundo o dr. Leonardo Kayat, radiologista e especialista em diagnóstico do câncer de próstata na Clínica de Diagnóstico por Imagem (CDPI), a descoberta precoce e a seleção correta e eficaz do tratamento são capazes de reduzir o número de mortes causado pela doença.

“O câncer de próstata tem mais chances de atingir os homens que estão no grupo de risco, que consiste em idade acima de 50 anos, sobrepeso, perfil sedentário e histórico da doença na família. Porém, mesmo que o paciente não se enquadre nesse perfil, é recomendável que todos os homens comecem a fazer exames de detecção desde os 40 anos. É esse acompanhamento com o especialista que garante a descoberta precoce dos tumores, malignos ou não, e dá enormes chances de cura ao paciente”, conta o dr. Leonardo.

Como o câncer de próstata não costuma apresentar sintomas em seus primeiros estágios de desenvolvimento, fazer os exames de rotina e consultar um urologista (ou clínico geral) de confiança é essencial para sua detecção precoce. Para auxiliar nessa descoberta, o exame de PSA, o toque retal e a ressonância magnética multiparamétrica da próstata se destacam como os métodos de diagnóstico mais eficazes e precisos disponíveis atualmente para identificar a doença. O primeiro mede a dosagem do antígeno prostático específico por meio de um exame de sangue; já o toque retal, apesar de temido por alguns, é um procedimento indolor e rápido, em que o médico verifica se a próstata apresenta anormalidades palpáveis; a ressonância magnética multiparamétrica, por sua vez, tem sido amplamente considerada o método diagnóstico não invasivo com a maior acurácia para a detecção de câncer de próstata clinicamente significativo.

“Esses métodos não diagnosticam o paciente como tendo câncer ou não, mas dão ao especialista uma visão importante da condição de saúde dele e se a próstata está, de alguma forma, alterada. Se existirem suspeitas nos exames ou lesões evidentes à ressonância magnética, o paciente é indicado para se submeter a uma biópsia, que é a retirada de fragmentos de tecido da próstata para análise, guiada por ultrassonografia transretal”, explica o médico. Esse procedimento pode ser realizado com sedação, garantindo que o paciente tenha o maior conforto possível.

Entre as novidades em diagnóstico preciso e eficaz para esse tipo de câncer está a biópsia por fusão de imagens de ultrassonografia com ressonância magnética, já disponível no Rio de Janeiro desde março de 2016. Esse procedimento se beneficia da alta acurácia da ressonância magnética na detecção de lesões, em combinação com a praticidade da ultrassonografia na aquisição de fragmentos de biópsia. “O resultado é maior confiabilidade diagnóstica com menor índice de falsos negativos e menor necessidade de repetição de biópsia”, conclui Leonardo.